Clicky

Saudade • 31/12/2017 - 14:03 • Atualizado em: 31/12/2017 - 15:09

20 anos sem Capiba: o legado deixado para a música pernambucana

Capiba deixou mais de 200 canções, entre elas algumas das mais conhecidas e importantes no Carnaval

por Angélica Souza
Foto: Reprodução / Internet
Para os pernambucanos, Lourenço da Fonseca Barbosa, mais conhecido como Capiba, é sinônimo de frevo. Suas canções inspiram as novas gerações de intérpretes do ritmo pernambucano. Há duas décadas, um dos mais conhecidos compositores do Brasil nos deixava, mas seu legado ficou eternizado em suas mais de 200 canções. 
 
Mas nem só de frevo viveu Capiba, e um dos grandes sucessos de sua autoria ficou eternizado na voz de Nelson Gonçalves: “Maria Betânia”, gravada em 1945. Ele também é autor do samba “A Mesma Rosa Amarela”, gravada por Maysa. E foi a partir daí que a pernambucana Gerlane Lops escolheu essa canção para compor seu DVD Da Branca. “Amo essa música, escutei a Maysa cantando do jeito dela e achei que poderia fazer diferente. Foi quando convidei o Quinteto Violado e fizemos um arranjo diferente”, explica a sambista.
 
Entre as canções carnavalescas mais famosas está “É de Amargar”, vencedora de um festival de frevo em Pernambuco, em 1934, e regravada por Claudionor Germano. Além de Claudionor, Capiba já foi gravado por artistas da nova geração como André Rio, Almir Rouche e Nena Queiroga.
 
"Capiba é o alicerce da Cultura Musical Pernambucana. Compositor imenso! Seus Frevos, valsas e canções são o norte para quem quer seguir pela estrada da Música”, afirma André Rio. “Tive a honra de lhe conhecer, abraçar e agradecer pelo grandioso legado que ele nos deixou. Sua obra está eternizada na memória de todo o bom admirador da Música Popular Brasileira”, finaliza.
 
Nena Queiroga também teve contato direto com o compositor, que era grande amigo dos pais da cantora e relembra um fato que aconteceu em um desses encontros. “Uma das coisas que mais me marcaram e que levo comigo para sempre foi quando, no meio da rixa que se formou entre a música pernambucana e baiana, ele me disse ‘eles tomam conta direitinho da casa deles, vamos tomar conta da nossa!’ E foi assim que segui, sempre fazendo a minha parte para que as coisas melhorem, sem ficar olhando para que os outros fazem ou dizem”, explica Nena, que sempre mantém no repertório as canções do compositor, como  “Juventude Dourada”, “Oh, Bela” e “Trombone de Prata”.
 
“As músicas de Capiba estão no meu repertório por amar e para proteger e não deixar que se esqueçam desse grande ícone da música de Pernambuco", finaliza Nena que gravou com Henrique Annes, a “Valsa Verde”, para o projeto Voz e Violões.  
 
Capiba faleceu em 31 de dezembro de 1997, de infecção generalizada, depois de passar dez dias na UTI.

Comentários