Clicky

brilho • 10/02/2018 - 21:32 •

Lojinha de glitter itinerante deixa o Carnaval do Recife ainda mais brilhoso

A purpurina está sendo vendida no Recife Antigo por R$ 2 e R$ 5 

por Lorena Andrade
Foto: Lorena Andrade/LeiaJáImagens
Quem circula pelo Carnaval de Pernambuco já sabe: o glitter é um dos grandes protagonistas na composição do look dos foliões. É brilho no rosto, corpo, cabelo... E foi pensando em quem saiu pra festa desprevenido e esqueceu o adereço indispensável que a estudante Nayara Fernandes, 23 anos, criou uma lojinha de glitter itinerante nos dias de folia. 
 
Os valores são bem acessíveis para que ninguém deixe de brilhar. O potinho menor custa R$ 2, já o maior ela faz uma promoção e sai dois por R$ 5. O serviço é oferecido nas ladeiras de Olinda durante o dia e no Recife Antigo à noite. “Muita gente está comprando, inclusive homens que estão deixando o machismo de lado e estão se produzindo com a purpurina. Estou muito satisfeita com o resultado”, revela. 
 
Nayara, que é catarinense, há três anos mora no Recife e se apaixonou pelo Carnaval da cidade. “É fantástico, inebriante, prazeroso. Lindo demais, incomparável. E poder deixar o Carnaval ainda mais brilhoso vendendo purpurina é massa”, afirma. Mas a venda tem um motivo ainda mais especial. É que a estudante faz parte do bazar feminista negro Dandaras que, durante todo o ano, vende roupas para ajudar as mulheres negras a ganhar um dinheiro extra.
 
Vendendo o glitter, ela e mais duas amigas do coletivo esperam arrecadar dinheiro suficiente para custear uma viagem à Bahia, onde pretendem participar de um fórum para mulheres negras que vai acontecer em março. “Estamos confiantes que vamos conseguir, a venda está boa”, confessa Nayara.
 
As amigas Mell, Lavínia, Carolina e Vitória vieram do bairro de Jardim São Paulo, na Zona Oeste do Recife, para curtir a festa no Rec Beat e aproveitaram para se enfeitar com a purpurina. “A gente ama Carnaval e queremos brilhar. Carnaval é brilho, não podemos ficar sem glitter”, explica a estudante Mell Beatriz, 16 anos.

Comentários