Clicky

Tremendão na veia • 14/02/2018 - 02:05 • Atualizado em: 14/02/2018 - 02:18

Amor por Erasmo Carlos reúne família no Rec-Beat

Show do Tremendão foi um dos mais aguardados e encerrou o festival na Terça Gorda

por Renato Torres
Família reunida para acompanhar apresentação de Erasmo no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-BeatTremendão fechou programação da terça-feira no Rec-Beat

Último dia de folia. Recifenses e turistas se espremem na estreita Rua Cais da Alfândega, Centro do Recife, para acompanhar a última apresentação do Rec-Beat 2018. Na terça-feira mais famosa do ano, que contou com a presença de atrações da França e Inglaterra, um cantor do Rio de Janeiro segurou o público em plena madrugada. A entrada do Tremendão era aguardada há meses pela família Regueira e o seu membro honorário Pedro Leitão. O amor pelas músicas de Erasmo Carlos era compartilhado por várias vozes, mas estas soavam mais alto.

Sete membros, cada um com seus anos de estrada. A começar pelo mais antigo. César Regueira chega aos 66 anos com a disposição que teve em sua primeira vez acompanhando Erasmo. Nem consegue mais contar quanto tempo se passou desde sua estreia na platéia do roqueiro. Pulando, como se já ouvisse as primeiras notas, ele deixava claro seu objetivo ali; acompanhar suas músicas favoristas.

"Acompanho há um bocado de tempo, desde menino. Venho ao Recbeat só para acompanhar o show de Erasmo Carlos. Eu espero que ele cante Mulher que é um grande sucesso dele e Gatinha Manhosa", falou o aposentado.

César chegou ao Rec-Beat 'carregado' pelo genro, Pedro Leitão. O publicitário de 36 anos não teve tantas dificuldades em convencer o sogro que é ainda mais fã do Tremendão do que ele. O amor pela música uniu a família além do esperado. Tornando o momento ainda mais especial estava o fato de que seria o primeiro show de Pedro que não fez questão de esconder sua ansiedade. 

"Erasmo Carlos eu comecei a gostar através do Roberto. Descobri que os grandes sucessos de Roberto eram também do Erasmo e nunca vi um show dele pessoalmente. Vai ser o primeiro show que vou acompanhar e trouxe o meu sogro porque ele é fã de outras gerações. Quase setenta anos de idade, muitos outros seguindo os shows e este vamos curtir juntos", afirmou.

A paixão pela música fica em maior evidência durante o Carnaval. Para o publicitário, ter um polo de tanta diversidade em meio à folia do frevo, ciranda, coco e maracatu só agrega ainda mais ao período festivo. "O Recbeat é um polo diferente do Recife Antigo, multicultural onde você já tem o frevo, maracatu, afoxé, entre outros. É um polo popular, democrático e gratuito para o público. Isso é o Carnaval de Recife, essa mistura. O Erasmo é um grande cantor e chegar para acrescentar ainda mais", destacou.

Dentro dessa família, a emoção de ver o Tremendão ganha novas proporções à medida em que se conhecem outros personagens. É o caso de Riselda Pires, de 65 anos. Comerciante, e aposentada, ela costuma seguir o ídolo por grandes distâncias. O que fica bem evidente ao revelar ser natural de Barbacena-MG. Não é a primeira vez que ela sai de casa para assistir o cantor favorito, e ela enumera os motivos para tanta dedicação.

"Eu gosto da figura do Erasmo, do carisma que ele tem e das letras das músicas. E também porque eu adoro o rock. Já o vi no Rio de Janeiro e São Paulo, eu amo o show dele e onde tem eu vou", revelou a aposentada que fez questão de trazer amigas também de longe para ver Erasmo Carlos em um palco que sempre rende boas histórias.

"O Rec-Beat está uma maravilha e é por isso que todo ano eu venho aqui. Espero que seja uma noite maravilhosa, trouxe minhas amigas do Rio de Janeiro e quero que ele cante Gatinha Manhosa para nós", completa Riselda enquanto, aos risos, discorda da colega que elogia os atributos físicos do cantor. No fim, não é de se surpreender que o momento tenha sido de pura emoção. Mesmo com o atraso - pouco mais de 30 minutos para o início - o público entoou os vários cantos que tornaram o Tremendão esse cantor capaz de unir famílias e gerações.

Comentários