Clicky

Conectado • 18/02/2019 - 10:00 • Atualizado em: 18/02/2019 - 10:33

Nova geração brinca o maracatu com ajuda da internet

Brincantes mais jovens se valem da rede mundial para aprimorar e compartilhar a brincadeira

 

por Paula Brasileiro
Paula Brasileiro/LeiaJáImagens Foto: Paula Brasileiro/LeiaJáImagens

Já dizia o vocalista da Mundo Livre S.A., Fred 04, um dos idealizadores do movimento manguebit: "computadores fazem arte". E depois da chegada e popularização da internet, então, é que computadores interligados na grande rede andam ajudando artistas e brincantes a fazerem mais arte ainda. A cultura popular pegou carona na onda cibernética e tem se valido dela para crescer e, também, aparecer.

Apesar de ser uma tradição secular, o Maracatu de Baque Solto está cada vez mais moderno. As novas gerações de brincantes fazem uso da internet para poder aprimorar a brincadeira e deixá-la ainda melhor. Rogério Silva, de 32 anos, trabalhador rural e bandeirista da Nação Estrela de Ouro, de Condado é um exemplo disso. Para criar os desenhos que estamparão as golas dos caboclos ele dá um clique: "Eu imagino as coisas, pesquiso os arabescos na internet, aí quando chega aqui é só escolher as cores e bordar", diz.

As rimas entoadas durante as apresentações das agremiações também deixaram de ser apenas fruto da criatividade dos mestres. A nova geração deles se vale das pesquisas online para incrementar o seu repertório. Os mais velhos aprovam a estratégia: "Os mestres de hoje já começaram melhor que eu. Eles se metem logo na internet, pegam uma rima lá; a gente não tinha isso não, era no pega pra cá", diz o Mestre João Paulo, do Leão Misterioso, de Nazaré da Mata. O mestre experiente acredita que a ferramenta acaba atraindo os mais novos: "É bom porque os jovens estão se interessando".

Além disso, grande parte das agremiações, hoje em dia, dispõem de páginas nas redes sociais, como Facebook e Instagram e assim podem compartilhar suas atividades e arte com todo o mundo. Os grupos no Whatsapp também se espalham entre os celulares dos brincantes facilitando a comunicação entre eles. Já no YouTube, é possível assistir a vídeos de apresentações e, até mesmo, tutoriais de dança, toques e canto.

Fotos: Paula Brasileiro/Rafael Bandeira/LeiaJáImagens
 
LeiaJá também
 

Comentários