Clicky

Bloco • 24/01/2018 - 14:33 • Atualizado em: 24/01/2018 - 14:51

Carros alegóricos do Galo da Madrugada retratam os 40 anos do gigante

Relembrando os antigos carnavais, seis alegorias vão abrilhantar o 41° desfile do maior bloco de rua do mundo 

por Nicole Simões
Rafael Bandeira/LeiaJáImagensRafael Bandeira/LeiaJáImagensRafael Bandeira/LeiaJáImagensRafael Bandeira/LeiaJáImagensRafael Bandeira/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagensNicole Simões/LeiaJáImagens
As ruas da região central do Recife vão reviver os últimos 40 anos de carnaval. No sábado de Zé Pereira, dia 10 de fevereiro, o Galo da Madrugada, maior bloco de rua do mundo, irá as ruas pela 41ª vez para fazer os foliões relembrarem os antigos carnavais e os grandes compositores que fizeram parte da história do "Galo: 40 anos promovendo o folclore e a cultura pernambucana".  
 
Em 2018, seis alegorias criadas pelo cenógrafo Ary Nóbrega vão trazer elementos que remetem as quatro décadas da agremiação carnavalesca, juntamente com a presença de 80 passistas e artistas fantasiados com peças produzidas pelos carnavalescos Francisco Câmara e Anderson Gomes. "O desfile do Galo sempre traz coisas muito bonitas, às vezes se ressalta a grandeza, mas tem que se olhar também a beleza dos carros alegóricos. As alegorias são uma tradição de nossos desfiles há cerca de 30 anos e eles sempre contam uma história do tema do desfile. E este ano, como o tema são os 40 anos do bloco, a gente traz uma síntese em quatro carros temáticos representando os carnavais antigos e também os compositores que conviveram nessas quatro décadas", revela o presidente da agremiação, Rômulo Meneses.  
 
Anunciando a chegada do Galo da Madrugada, o primeiro carro "Os Clarins e as Trombetas" promete incendiar as ruas do Recife com 12 músicos e puxam logo em seguida o carro "Abre-Alas", que trará 10 passistas de frevo e dois palhaços. Os trajes dos dançarinos vão representar o fogo, a "fervura" do frevo. Atrás desse vem a alegoria "Carnavais do Passado", que faz uma homenagem aos foliões que curtiam o Galo da Madrugada no início do bloco, entre os anos de 1970 e 80. "Esse carro é para lembrar uma época que o bloco não tinha nenhuma alegoria, eram os próprios foliões que saíam fantasiados nas ruas para celebrar a festa", explica o carnavalesco Anderson Gomes. A tentativa com os destaques do carro foi retratar temas, as cores e a diversidade de criações carnavalescas ao logo da avenida. Entre os personagens vão estar Pierrot, Colombinas, Arlequim, entre outros.  
 
No quarto carro, caboclinho, maracatus rurais e nação, bumba meu boi, cavalo marinho, papangus de Bezerros, caretas de Triunfo e passistas de frevo são figuras da cultura pernambucana que trazem os carnavais do interior do Estado para as ruas. O nome escolhido para a alegoria foi "Pernambuco de Todos os Carnavais".  
 
Presentes entre os 40 anos do Galo da Madrugada, os compositores de frevo que fizeram grandes canções ao gigante serão representados na quinta alegoria, chamada "Grandes Compositores". Por fim, o fechamento do desfile ficará sob a responsabilidade do carro "Galo no Brasil e no Mundo", que mostra a dimensão que o bloco tomou hoje, homenageando os locais que aderiram ao Carnaval no estilo do Galo da Madrugada, como o Bloco Galo na Neve, que acontece no Canadá. Nele também virá a homenagem a Francisco José, com uma foto do jornalista e um boneco gigante, feito pelo artista plástico Sílvio Botelho. O 41° desfile do maior bloco do mundo será realizado no dia 10 de fevereiro, a partir das 10h, com concentração em frente a Praça Sérgio Loreto, no bairro de São José, no Recife.

Comentários