Clicky

Começou • 10/02/2018 - 05:54 • Atualizado em: 10/02/2018 - 05:55

Abertura do Carnaval do Recife, nesta sexta (9), foi uma grande festa de aniversário para o frevo

Homenageando o ritmo que completou 111 anos nesta data, a festa abriu a folia recifense com energia e muita emoção

por Paula Brasileiro
Paula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagensPaula Brasileiro/LeiaJáImagens

No dia em que completou 111 anos de história, o frevo ganhou uma grande homenagem de sua cidade natal, o Recife. Abrindo o seu carnaval, a capital pernambucana promoveu um grande espetáculo com alguns dos maiores artistas do segmento, entre eles, Jota Michiles e Nena Queiroga, homenageados da folia de 2018. Os dois mostraram ao público que compareceu à praça do Marco Zero, na noite desta sexta-feira (9), toda a energia do frevo em shows cheios de emoção e convidados especiais.

Jota Michiles subiu ao palco logo após o espetáculo O Frevo para o Mundo, comandado pelo Quinteto Violado. Ele reuniu grandes nomes da música popular brasileira para cantar um repertório de clássicos do ritmo. “Estou muito feliz, com meus convidados luxuosos e neste dia de aniversário do frevo. É bom demais”, disse em referência a uma de suas composições.

Entre os artistas convidados por ele, Elba Ramalho afirmou ser ele “o maior compositor de frevo desta geração” e Fafá de Belém que subiu ao palco trajando uma gola de caboclo de lança, elogiou não só ele como a outra homenageada do Carnaval, Nena Queiroga: “Acertadíssima a escolha dos dois. Ele é um dos compositores mais cantados nas ruas e ela uma foliã”.

A foliã em questão, Nena Queiroga, assumiu a festa logo em seguida. Muito emocionada e radiante, a cantora abriu seu show exaltando as mulheres com um bloco de canções todo dedicado a elas. Nena também levou o maracatu para o palco - ritmo que durante 16 anos abriu o Carnaval no Recife -, com o grupo Batuqueiros do Silêncio, integrado por jovens com deficiência auditiva. A festa continuou com outro representante de peso do frevo, André Rio, que também levou convidados para o palco e incendiou a praça do Marco Zero provando que o Carnaval está apenas começando.

LeiaJá também
 

Comentários