Clicky

BLOCOS DE RUA • 22/02/2019 - 14:32 • Atualizado em: 22/02/2019 - 14:50

Do MPB ao Punk Rock: Carnaval de SP atrai todos os públicos

Blocos de rua da capital paulista garantem a alegria até daqueles que não simpatizam com ritmos como samba e axé

 

por
()

Os blocos de rua têm conquistado cada vez mais espaço no carnaval de São Paulo. Em 2019 serão mais de 500 blocos desfilando em diversas regiões da cidade e agradando os amantes de diferentes ritmos musicais. São blocos de MBP, axé, pop, de diferentes vertentes do rock, como o emocore e o punk, entre outros.

A estudante de administração Jaci Diniz, 25 anos, vai no “Bloco Emo” e conta que o que a motiva a sair de casa para curtir o carnaval de rua deste ano é justamente a diversidade de ritmos, já que nunca foi muito carnavalesca.

"Jamais imaginei que teria um bloco que eu fosse ouvir tudo aquilo que ouvia dez anos atrás, durante a minha adolescência. Vai ter muitas bandas que ouço até hoje e trazer isso para festa mais popular do país é sensacional. Acredito que os organizadores estão começando a perceber a importância dessa diversidade musical", afirma.

Bloco Bicho Maluco Beleza, que agitou as ruas de SP ao som de Alceu Valença em 2018 | Foto: Divulgação

Já o tradutor e revisor de textos Rafael Amaral, 24 anos, pretende ir no “Bloco Bicho Maluco Beleza”, que conta com a participação do cantor Alceu Valença pelo quinto ano consecutivo. Para o folião, o mais legal do carnaval de rua da capital paulista é a oportunidade de curtir estilos de música que fogem do convencional.

"No carnaval precisamos enaltecer outros estilos musicais, além do funk, que toca nas baladas o ano inteiro. A mistura de ritmos é legal desde que tenham músicas alegres. Eu gosto de Simone & Simaria, por exemplo, mas não quero dançar sofrência nos bloquinhos", avalia.

Rua é tomada pelo Bloco 77 - Os Originais do Punk | Foto: Divulgação

O interesse do público por blocos alternativos é o que também fez o “Bloco 77 - Os Originais do Punk” se destacar na diversidade de ritmos no carnaval de São Paulo. O estudante de pedagogia e professor de educação infantil Guilherme Guimarães, 20 anos, vai participar do sexto desfile do bloco por acreditar que, além de abrir espaço para as pessoas curtirem o carnaval de rua, o bloco descontrói os estereótipos em torno do punk.

"Eu vejo o bloco como uma maneira de unir as pessoas e mudar a percepção que a sociedade e a mídia têm de nós punks, de que somos marginais, quando na verdade, lutamos contra todo tipo de discriminação ao lado das mulheres, negros, LGBTQ+", explica.

Por Nataly Simões

 

Serviço:

Bloco Bicho Maluco Beleza com Alceu Valença

Quando: sábado – 23 de fevereiro

Onde: Praça Armando de Sales Oliveira, Obelisco do Ibirapuera

Horário: 13h

 

Bloco Emo

Quando: segunda-feira – 4 de março

Onde: Avenida Tiradentes, Centro de SP

Horário: 14h

 

Bloco 77- Os originais do Punk

Quando: sábado – 2 de março e segunda-feira – 4 de março

Onde: Rua Simão Álvares, 590, Pinheiros

Horário: 15h

Comentários