Clicky

Arte • 24/02/2020 - 19:13 • Atualizado em: 24/02/2020 - 19:25

Bloco mistura frevo e acrobacias na Ponte de Ferro, no Recife

Tecidos, lira e música foram os elementos presentes no bloco 'Vulvas Vão Voar'

por Maya Santos
..Concentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro anoConcentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro anoConcentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro ano.Concentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro ano.Concentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro ano.Concentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro ano.Concentração do bloco Vulvas Vão Voar, em seu primeiro ano.

Nesta segunda-feira (24), desfilou pelas ruas do Centro do Recife o bloco 'Vulvas Vão Voar'. Em seu primeiro ano, o arrastão reúne frevo, banho de piscina e acrobacias aéreas realizadas em tecidos e lira circense (arco suspenso) com vivências na Ponte de Ferro, na capital pernambucana. 

As diretoras da Companhia Lírica no Ar, Jessica Santos e Amanda Baptista, são as organizadoras do bloco carnavalesco que tem como objetivo valorizar a presença das artistas nas ruas e como proposta o enfrentamento ao assédio sexual sofrido pelas mulheres. . 

“Saiu essa ideia de ocupar a ponte com esse bloco e aí a gente teve na concentração esses aparelhos (tecido e lira), daí quem já praticava e comprou a blusa já poderia subir e aproveitar”, explicou a organizadora Jessica Santos ao LeiaJá. Ela ainda acrescenta  que “foi um ideia de unir essa coisa de ser mulher no público, de fazer aéreo, acrobacia fora de estúdio, ocupar a rua e brincar carnaval”.

Devido à temática circense, as acrobatas foram atrações no Baile Municipal, além de outro palcos neste carnaval. O bloco e a orquestra de frevo formados apenas por mulheres são organizados pela Lírica no Ar em parceria com a Prefeitura da Cidade do Recife (PCR). As foliãs que participam da folia puderam adquirir a camisa por meio de plataforma digital, no valor de R$ 30. O 'Vulvas Vão Voar teve concentração na Ponte de Ferro às 15h e seguiu percurso para o Marco Zero. 

 
 

Comentários